:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Jornal Velho

Recortes e papéis de ontem, de duas décadas, do mês passado, de hoje - o pesadelo do pessoal de limpeza.


.:: mês anterior :: :: :: :: November 2007 :: :: :: :: próximo mês ::.

28 Novembro

Mesquisitices

Ao contrário do nosso ombudsman e pedro de lara, eu leio as coisas que se chamam de imprensa no Brasil e não tenho vergonha de admiti-lo. Também não me envergonho de dizer quando não as compreendo.

Como na manchete de página do Estadão de hoje.

Se as mudanças "afugentaram as maiores petrolíferas do mundo", por que cintas caralhas d'água® o apurado foi recorde?

Aí tem.
14:59:24 - Pinto -

26 Novembro

"Dezoito centímetros e meio - e não sou eu quem diz, é o Inmetro"

E o Estadão publicou uma edição especial ontem, sobre a Amazônia, em formato de revista e com 124 páginas (!), que merece ser lida com cuidado e que tem parte do seu conteúdo disponível nos sites da empresa (jornal, Agestado, rádio Eldorado, etc). Mais não dizemos porque tem amigo nosso colaborando no troço, mas o jornal encontrou um modo, hum, peculiar de enaltecer as dimensões da reportagem: fora da revista, em uma página de divulgação no interior do jornal, estão lá os números: "19 mil fotos foram feitas etc", "135 horas foram percorridas na viagem mais longa etc", "58 metros de textos foram escritos etc". Nosso entusiasmo pelo novo sistema de mensuração textual só não é maior que nossa tristeza pelo abandono, ao menos nesta portentosa edição, da mais antiga e mais confiável unidade de medida brasileira: os maracanãs lotados, que, esperamos, voltarão o quanto antes a ser utilizados.

Donde intimamos o nosso Chefe de Redação Pinto à pesquisa: quantos metros de textos o bloguezinho já cometeu nestes quatro anos?
07:48:36 - Zeno -

24 Novembro

Piada de português

Sabe a última da Miriam Dutra?

O Ministério da Educação adverte: não mais o patriotismo, mas a norma culta é o último refúgio dos canalhas.
20:14:55 - Pinto -

23 Novembro

Sangue de Boi

E agora interrompemos nossa programação para reproduzir um trechinho de um inacreditável obituário publicado hoje (onda mais?) na Fôia de S.Paulo, grifo nosso:

A família diz que quem conheceu Carlos Roberto dos Santos quando mais jovem e o via nos últimos anos não o reconhecia -há sete anos ele deixou de beber, tido por todos como seu maior defeito, e "sua vida mudou da água para o vinho".

(crdt pela dica : armustus)
10:55:38 - Pinto -

21 Novembro

Que Mário?

A controversa foto do painel alusivo ao Dia da Consciência Pesada não retrata Mário de Andrade, e sim nosso amigo Ricardo Soares, futuro adido cultural da Embaixada Brasileira no Sudão num eventual governo da Frente Socialista, ou sei lá como se chama aquilo lá. Uns 30kg mais moço, mas é ele.

Ou então é o Virgulino Ferreira mesmo.
16:41:56 - Pinto -

15 Novembro

Out-of-Law

Moderna e coquete, fiel à tradição quatrocentona de copiar tudo o que vem de fora, São Paulo bem que podia seguir o último grito das megalópoles e ter logo um prefeito gay para chamar de seu. Paris já tem, Berlim já tem e o de Londres forma naquela categoria que se convencionou chamar de GLS (gays, lésbicas e... suaves?).

Só sei que os paulistanos não merecemos são esses piores modos de machão de um Kassab da vida!
11:22:00 - Pinto -

13 Novembro

Ora veja...

Do blogue do Nassif, citando o Doria, citando o Che. Em raras ocasiões li um passa-menino tão contundente:

Caro Diogo,

Fiquei intrigado quando você não me procurou após eu responder seu email. Aí me passaram sua reportagem em Veja, que foi a mais parcial análise de uma figura política contemporânea que li em muito tempo. Foi justamente este tipo de reportagem hiper editorializada, ou uma hagiografia ou – como é o seu caso – uma demonização, que me fizeram escrever a biografia de Che. Tentei por pele e osso na figura super-mitificada de Che para compreender que tipo de pessoa ele foi. O que você escreveu foi um texto opinativo camuflado de jornalismo imparcial, coisa que evidentemente não é.

Jornalismo honesto, pelos meus critérios, envolve fontes variadas e perspectivas múltiplas, uma tentativa de compreender a pessoa sobre quem se escreve no contexto em que viveu com o objetivo de educar seus leitores com ao menos um esforço de objetividade. O que você fez com Che é o equivalente a escrever sobre George W. Bush utilizando apenas o que lhe disseram Hugo Chávez e Mahmoud Ahmadinejad para sustentar seu ponto de vista.

No fim das contas, estou feliz que você não tenha me entrevistado. Eu teria falado em boa fé imaginando, equivocadamente, que você se tratava de um jornalista sério, um companheiro de profissão honesto. Ao presumir isto, eu estaria errado. Esteja à vontade para publicar esta carta em Veja, se for seu desejo.

Cordialmente,

Jon Lee Anderson.


CNN News update: a réplica é melhor ainda, aqui.
17:11:06 - Pinto -

08 Novembro

Finalmente alguém que explica os mistérios do mundo

Eu tenho uma inveja imensa da Catalogação Universal proposta pela Revista Trip. Acho que falarei disso com meu analista.
20:35:48 - Zeno -

Xô, Shoah!

Dilberto Gimenstein perpetra novo holocausto em artigo justamente para enaltecer o pendor da comunidade pelo saber, errando cifras por uma margem de apenas 6 milhões.

Ah, quando a mãe dele souber...
20:07:54 - Pinto -

03 Novembro

o indo e o govindo

oro a joe
pass na estrada
23:18:23 - George Smiley -

.:: mês anterior :: :: :: :: November 2007 :: :: :: :: próximo mês ::.