:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Jornal Velho

Recortes e papéis de ontem, de duas décadas, do mês passado, de hoje - o pesadelo do pessoal de limpeza.


.:: mês anterior :: :: :: :: November 2005 :: :: :: :: próximo mês ::.

29 Novembro

Hohoho!

Hohoho é a puta que pariu!

Kautokeino, Lapônia (HZ) — Em franca campanha por sua reabilitação natalina, o ex-ministro José Dirceu, em visita ao extremo norte da Noruega, foi agredido por Papai Noel ao tê-lo cumprimentado com um "Tá boa, Santa?"

"Agora ele deve estar ouvindo o Jingle Bells", disse Noel após ter desferido duas bengaladas no cocoruto do ex-ministro. "Mais tarde é que vai ver como é que é a Missa do Galo."

Segundo ele, Dirceu não ganhará presente nenhum —"Nem de amigo secreto, que ele não sabe nem o que é isso"— por ter se comportado muito mal durante o ano que passou, "e durante os últimos 50 anos também".

Dirceu mostrou-se surpreso com o saco cheio do Bom Velhinho. "Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel", justificou. O ex-ministro deixou o local do incidente às pressas alegando estar atrasado para um encontro com Rudolf, a Rena do Nariz Vermelho, e com alguns gnomos que acreditam na sua inocência. "Minha inocência é elemental."
22:43:42 - Pinto -

08 Novembro

No solfá por cima de si, sem si ré lá

"(...)Os tiros são sempre disparados por escritores limitados, autores sem obra, pensadores sem tese, profissionais desacreditados que só garantem o seu emprego em razão da estabilidade e do corporativismo, quando não por ligações espúrias com os detentores do poder.
Sem brilho próprio, nem ao menos conseguem refletir o brilho alheio. Inseguros, pois têm consciência de sua mediocridade, sentem-se permanentemente ameaçados. Mesmo assim, agem como o aluno irresponsável e preguiçoso: "Não li e não gostei". Não admitem que profissionais liberais, artistas, pequenos empresários e até donas de casa possam ter inquietações intelectuais, razão pela qual riem dos esforços dessas pessoas em saciar sua vontade de conhecer mais. Por extensão, tentam desqualificar o trabalho daqueles que lutam para tornar a cultura acessível a mais gente, quando todos sabemos dos riscos de escrever e editar neste país.
Os adversários, minha gente, são outros, não os que falam a favor do livro, do teatro, do cinema e da música de qualidade, de bons museus, da civilidade e de outros aspectos da cultura humana."

-----------------------------------------------------------------------------------
Trecho de artigo publicado na Fôia de hoje, do Jaime Pinsky, organizador e editor do recém-malhado "Cultura & Elegância".
Eu, particularmente, gostei muito do “minha gente”, no último parágrafo. Ficou uma coisa assim tão Hebe, foi não, gente?

Nota da Redação: e com este post estréia como membro ativo deste blogue (até então ele era membro passivo apenas) o meu, o seu, o nosso DJ Mandacaru, primeiro e único, extrapolando a seara musical e versando sobre outras matérias das quais tem pleno domínio, tais como: noções de etiqueta, como bem receber, que talheres usar e, mais importante, o que fazer com o guardanapinho do canapé. Afinal, do que serveriam as aulas de Madame Poços Leitão senão para isso?
10:07:30 - DJ Mandacaru -

06 Novembro

old eight ou odiei-te

curiosos os anos 38itenta.
sempre me causaram a controversa impressão- qdo uns caras tinham 'nostalgia' deles- de q. era isso, q. quem mais gostou deles, esses eram precisam/e o motivo do pq^. tanta gente os detesta.

entende?
sabe aquela foto da tétcher e do rígan saindo 'fodões' de dáunistríti, todo-contentes c/ aquele sorriso de quem tinha acertado o mundo pelos próximos 100 mil anus...?
nunca esqueci qdo vi.
tocava paralamas no rádio, tinha acabado de ver um cítrico da filhustrada falando da falta de renovação no último cd da emilinha borba.
01:29:08 - John Self -

01 Novembro

Com o próprio rabo

Frase, pescada no Noblat, de autoria do amazônico senador tucano Arthur Virgílio:

"Se ameaçarem um filho meu, dou uma surra no próprio Lula. Sou de escorpião. Jamais desonraria o meu signo. Sou inesquecível como inimigo".

A redação do Hipopótamo Zeno bem que tenta, mas não consegue fazer frente à fauna política deste País. Desde o "V.Sa. desperta em mim os instintos mais primitivos" não se tinha notícia de desbunde semelhante.
14:18:14 - Pinto -

.:: mês anterior :: :: :: :: November 2005 :: :: :: :: próximo mês ::.