:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

De caboca@sontag.org para gaspari@fsp.ditabranda.br

Estimado jornalista,

Permita-me apresentar-me: sou uma entidade que vez em quando baixa aqui neste terreiro para tecer comentários ("Dar pitacos sobrenaturais", segundo meus colegas), a maioria deles relacionados a imagens, uma de minhas paixões. Manifesto-me desta vez sobre esta em particular. Não vou aludir ao abaixo-assinado nem à chacrinha que farão realizar sábado defronte ao prédio da Barão de Limeira, ambos já de domínio público, pois não sou afeita a mundanidades.

Fixo-me na imagem. Um jornal dos que o subvencionam e já se disse "o das Diretas" logrou este impensável: subverteu um ícone dos Anos de Chumbo e o tornou objeto de escracho não contra quem o produziu, mas contra quem deveria combatê-lo antes de qualquer coisa. Compreenda-me bem. Não me incomoda o escracho em si. À memória do Vlado dano pior fizeram os milicos. Tento aceitar, embora seja difícil, que justo um jornal tenha sido a força-motriz dessa guinada semântica. Sei do constrangimento que isso causou intramuros. Imagine então o constrangimento aqui fora, diante da pena de Eliane Cantanhêde, Josias de Sousa e outros luminares de igual quilate. Onde haverão de buscar indignação contra a vocação ditatorial do companheiro Lula depois dessa? Já ganhei uns caraminguás cometendo textos para a grande imprensa e creia-me: não há sensação pior para um jornalista que se ver diminuído à escala com a qual adoramos medir os donos do poder. Este episódio nos deixou menor que eles, de um tamanho tão minúsculo que certamente escapará até da miopia seletiva do ombudsman Lins da Silva. Seu antecessor, Mário Magalhães, não deixaria por menos, mas ele sintomaticamente pediu o boné.

E isso tudo, ironia das ironias, a pretexto (não haverá outro até 2010) de fortalecer a candidatura de uma notória vítima da tal ditabranda. Diga-se o que se disser de José Serra, mas enquanto editorialista da Folha ele jamais sonharia rascunhar absurdo parecido.

Deve ser duro para você, um dos poucos sujeitos desse metiê com quem arriscaria debater alguma coisa em pé de igualdade, submeter-se a tal desmoralização por quem lhe dá guarida às idéias. E agora, como fica? Ensinar que isso é coisa para admiradores da doutrina Pinochet, correndo o risco de ser demitido como um foca que escrevesse Golbery com i? Ou botar a viola no saco e fazer como quis a Redentora com o Vlado, suicidando a notícia? Assim como não há ditaduras brandas, não existem mais jornais como os conhecíamos. Falta alguém dar a boa-nova às redações, e quem sabe você possa fazê-lo.

Decisão difícil. Lembra do Claudio? Em pé naquele aquariozinho dizendo a quem quisesse ouvir: "Nós aqui emprestando dignidade a esses sujeitos, que se não fosse por nós não envergariam nem paletó". Abramo era, sobretudo, elegante. Aqueles tempos também eram.

Mas eram, de fato, outros tempos. Na faculdade a gente aprendia que não existe jornalista sem jornal. Continua verdade em parte. Tome aquela colunista econômica que virou social (ou seria o contrário?). Substitua-a por uma chimpanzé que saiba catar milho e os leitores não haverão de perceber a diferença, exceto talvez pela foto do cabeçalho. Por isso é que hoje é coisa rara encontrar jornalista mesmo nos jornalões e nas revistinhas, cada vez mais parecidas com o armazém de secos e molhados da máxima abrâmica. Recordo-me agora de você e do Jânio e, sem forçar a memória, de ninguém mais. Por essas e por outras vão defender seus trocados longe desse vexame.

Talvez seja a sua hora. A realidade há 10, 15 anos, sem esse terror das ditabrandas que é a internet, era bem outra, e arreganhos como o da Folha teriam caído no vazio. Hoje não mais, e sujam a barra de gente briosa como você. Lembro-me agora de um site com sua assinatura antes de existir o que conhecemos como blogosfera, e pessoalmente lamentei muito a sua morte prematura. Cogite retomá-lo pelo bem de nós leitores pensantes, embora respeite suas razões caso contrário. Só não vá fazer como seu colega Clóvis Rossi, essa sempre tonitruante voz em defesa da democracia, de quem nesse episódio não se escutou um cacarejo. Hoje ele concluiu: "Política brasileira está sem pé nem cabeça". Eu acrescento: à imprensa, faz algum tempo, só restou o pé.

Despeço-me, e assim viveremos agora.

Susan.

PS 1 — Relutei enviar-lhe esta missiva porque, depois da letra ferina da professora —"Ninguém lê editoriais, mas as pessoas lêem cartas à redação"—, achei que seria chover no molhado. Mas o fiz em consideração, por pura afinidade intelectual.

PS 2 — Sem precisar puxar muito pela memória recordei-me da Dorrit, sua doçura e seu caráter, e a cito para não cometer uma injustiça íntima. Eis aí não apenas um texto brilhante como cada vez mais raro. Recomende-me a ela muito efusivamente.

posted at 23:31:15 on 04-03-2009 by Pinto - Category: Jornal Velho


Comentários

Milton Ribeiro wrote:

Coloquei chamada no corpo do post e avisei o Idelber sobre a existência do texto.

O que dizer? O cara escreve A Ditabranda Envergonhada, A Ditabranda Escancarada, A Ditabranda Derrotada e A Ditabranda Encurralada e deve, digamos, estar com o pé na cabeça.
05-03-2009 00:34:19

Milton Ribeiro wrote:

Ah, grande abraço.

(Deve ser o sono...)
05-03-2009 00:34:53

Milton Ribeiro wrote:

No último post do Idelber, lá pelos comentários entre 38 e 42, falamos de certo hipopótamo.
05-03-2009 00:47:54

Zeno wrote:

Parodiando nossa seção de resenhas de filmes de quatro palavras, "o bra pri ma". E, diferentemente do Ronaldo Gorducho, o nosso Pinto, apesar de ser o maior salário da redação do blog, faz por merecer cada caraminguá pago: entre um filho e outro, ele ainda arruma tempo pra escrever textos como o acima.
05-03-2009 01:06:25

Idelber wrote:

Meus camaradas, venho por meio desta ajoelhar-me no milho em praça pública, como sugerido (segundo o Fernando Barros e Silva maoisticamente) pelo Fabio Konder Comparato, para pedir perdão pela culpa, mea máxima culpa, de não ter até hoje viajado por estas comarcas. Porra, estou lendo há um tempo e não consigo parar. Parabéns, parabéns.
05-03-2009 01:10:15

Zeno wrote:

Quiéisso, Idelber, a gente lê você há muito mais tempo e nunca arriscou um comentariozinho sequer (pelo menos a parte que me toca, não sei quanto aos outros quatro da redação).

A mesma obs vale, aliás, pro blog do Milton, lido assiduamente e nunca comentado (tenho até uma enquete "mental" sobre o post recente das mulheres do Woody Allen...). Mea maxima culpa também.
05-03-2009 01:18:28

Cássio wrote:

Primeira vez que venho, indicação do Idelber, parabéns pelo texto. Quero ler mais desse Hipopótamo.

Mas, como todo bom carioca, eu sou preguiçoso demais. Ia ser tão bom se o blog tivesse um Feed! A menos que além de tudo a idade esteja me levando embora também a visão, eu não achei nenhum link para os posts novos serem entregues diretos no meu agrgador.

Então, vamos instalar um Feed tipo RRS ou Atom no Blog? Desculpe, posso parecer pedante em explicar algo que todos sabem, mas o Feed entrega o post recém-feito direto no meu Google Reader. Eu nem preciso acessar a página para descobrir se tem post novo, e conta para vocês como um pageview. A analogia é a seguinte: o leitor que tem que ir nos favoritos, clicar no seu endereço, acessar a página e conferir se tem post é o cara que compra o jornal na banca. Dia de chuva ele não vai na banca. O leitor que recebe o Feed do Blog no seu Google Reader ou afins abre o programa e lê. É o assinante que recebe o jornal em casa.
Facilita. Abraços. Desculpe se vocês já sabem tudo isso, e tem um link beeeem grande e eu estou caducando.
05-03-2009 07:47:54

Artur wrote:

Pinto, além dos parabéns pela magnífica incorporação do estilo(?) do dito-cujo, um convite ao vomitório coletivo: artigo de um pulha, pg. 3 do DO da OBAN de hoje, explicando a nós, simples mortais - sim, o escribinha é fessô 'niversitário -, porque a Dita foi Mole.
Aproveitando a ocasião (que, como se sabe, faz o ladrão): a folha-corrida da Barão de Limeira tem se esforçado para atingir o paradigma da revistinha; é um tal de Pondé pra cá, João Cachopa pra lá (esse é viúva do Marcelo Caetano, deve usar monóculo à Spínola), Ferreira Jugullar senil. Sei não, deve haver filho saudoso do pai...
05-03-2009 07:56:50

Luiz Franz wrote:

Du caiáiu, pinto.
05-03-2009 09:56:50

Serbão wrote:

brilhante texto. aguardo agora a manifestação do Gaspari na coluna dominical.
05-03-2009 10:03:06

João Paulo Rodrigues wrote:

Parabéns! Cheguei via Idelber. Duca.
05-03-2009 10:35:42

Pedro wrote:

Celente, Pinto.
05-03-2009 10:42:08

Pedro wrote:

Por falar em movimentação defronte ao prédio da Folha, me lembro de um episódio bastante revelador que aconteceu comigo à época da impichamento do Collor. Fortaleza, à exemplo de Paris em 68, estava em ebulição. Me recordo do presidente do grêmio estudantil entrando na sala de aula, chamando os alunos para uma passeata que terminaria na praça do Ferreira (Praça da Sé, em paulistanês). Beleza. Gente pintado o rosto, faixas improvisadas, aquele tumulto. Fui com meus dezesseis anos pensando em fazer história. Chegando lá, um cara, que não me recordo se era algum dos líderes do movimento, sobe em cima de uma kombi, toma conta do microfone e conclama a turba.

- Quem quer justiça?
A multidão responde.
- Êêê!
- Quem quer dignidade?
- Êêê!
- Quem quer tomar cachaça?
- Êêêêêêêêêêêêêêêêêêêêêê!

É isso.
05-03-2009 10:48:59

Pinto wrote:

Pessoal, obrigado pela generosidade.

Cássio, nosso "suporte", o rapaz da tecnologia, é caso único de japonês leniente. Feeds, acompanhamento de comentários, nuvem de tags e outras mumunhas mais a gente vem pedindo desde 2007, pelo menos, e até agora o qeu ganhamos foi um flash animado no cabeçalho.

Resulta que isso aqui é mais ou menos como o Maksoud Plaza. Teve um certo esplendor no passado, no nosso caso os idoes de 2003, mas agora fica assim com esse charme meio decadente. Mas o serviço continua ótimo, viu? Visite nossa cozinha.
05-03-2009 10:50:20

Sorelpressionado wrote:

Já que virou moda, mea culpa, mea maxima culpa. Não tem desculpa, é ridículo e imperdoável não termos feed, a não ser por manter o blogue com um ar meio retrô, vintage, como diria uma amiga. Vamos estar providenciando as modernidades pedidas.
05-03-2009 11:17:08

Franciel wrote:

Pinto,
zeno já disse tudo: fez jus ao alto salário. Por isso, apenas repito as quatro palavras já ditas por ele: "o bra pri ma".

Idelber, mais uma vez confirma-se aquela famosa teoria de que mineiro é um baiano cansado, aquele tipo de gente que quer ir para São Paulo, mas acaba no meio do caminho.
Até este seu amigo aqui, com a preguiça e o desleixo tradicionais, já havia "descoberto" o glorioso Hipopótamo antes.
Como diria aquele que tem o pé na cozinha: assim não dá, assim não pode.

P.S Ah, sim. Zeno, parabéns pelo jogo contra o Quero Quero.
05-03-2009 11:22:22

Cam Seslaf wrote:

Palmas! Palmas! Palmas!
05-03-2009 11:41:52

g. smiling highlands wrote:

pinto, maravilha de palavrágora.

acho que o endereçado, lida a missiva, ia ter 2 impressões, perfeitamente reflexas:

1- fedelhos insolentes.
2- fedelho insolente...

isso eu queria ver, na horinha da lida.
05-03-2009 12:04:19

david wrote:

Bom texto, mas, por favor, coloque RSS no blog, companheiro.
05-03-2009 13:10:13

Ulisses Adirt wrote:

clap, clap clap...
05-03-2009 13:19:08

Renato K. wrote:

Só em ocasiões como esta é que me arrisco a dizer: esse Pinto é ótimo!

E assino embaixo o PS do Franciel (Quero Quero deveria ganhar algum prêmio este ano).
05-03-2009 14:13:55

anaconda wrote:

magistral
05-03-2009 14:42:03

Te wrote:

Gostei, pegou na sua manha de dar recados dos mortos. Será que ele não vai mesmo dizer nada? Uma pena, pois o último dos recados dos mortos foi do patriarca de uma família que disputa com um americano a guarda de uma criança usando métodos, segundo denúncias, abusivos.
06-03-2009 00:07:14

pimentel wrote:

Caros,cordiais..
Se algo de bom teve o episódio da fôia ,foi injetar um pouquinho, um mínimo que seja de indignação aqui e ali. O artigo anda em falta. Falando nela, senti falta também de uma palavra do Jânio de Freitas, sempre tão diligente na luta pela lisura das coisas e pessoas..E você tocou num ponto importante: a troca de ombudsman..como foi mal a fôia nessa, não ? mas pensando bem,faz sentido.
06-03-2009 01:22:04

cristina wrote:

legal
08-12-2010 12:22:18


Incluir comentário