:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Procura



Resultado da procura

09 Março

Roberto Carlos, parte I

Somos antenados. Aliás, somos do tempo em que se dizia “somos antenados”. A cidade, o país, o mundo comemoram os cinqüenta anos de carreira de Roberto Carlos. Nós também. A primeira idéia veio na reunião de pauta de ontem: postar a equipe do blog em frente à Oca, no Ibirapuera, onde foi inaugurada sábado passado uma exposição retrospectiva da trajetória do Moço de Cachoeiro, e vender cd’s piratas com a biografia proibida pelo Rei em versões pdf, doc e audiobook (com o Lama lendo). Sacola nos ombros, abordaríamos as velhinhas e os ônibus de excursão com sussurros: “Vai a biografia proibidona do Roberto? Só 10 real”. Depois neguim não entende que o que separa os visionários do restante da humanidade é a boa compreensão do momento justo, a hora certa e oportuna (kairós, em grego). Mas isso o Roberto sabe.
20:36:12 - Zeno -

11 Dezembro

Tradutor de cachorro

Somos antenados. Já percebemos, por exemplo, que o sucesso de um blog é diretamente proporcional ao número de vezes em que são postados comentários envolvendo animais de estimação, com ênfase, ainda não sabemos por que, em felinos de toda espécie. Aqui vai a nossa primeira tentativa no gênero.

(crdt carlão)
18:03:31 - Zeno -

23 Março

Ancienne Cuisine

Somos antenados. Assim como já percebemos que o sucesso de um blog depende, em boa medida, da adoção de um ou mais animais de estimação (veja aqui nosso post a respeito), notamos também a boa receptividade, junto ao mundinho blogger, de posts com receitas culinárias, experimentos gastronômicos e pesquisas sobre a boa mesa. Imbuídos de espírito alquímico e sentimento gregário, resolvemos compartilhar aqui uma receita perpetrada lá em casa, ontem à noite. Pegue um pacote de pão de queijo pronto e congelado, de preferência Forno de Minas, tamanho coquetel, versão clássico (atenção: não compre, por distração, o pão de queijo com sabores, tipo ervas finas ou cebola, porque obviamente isso interferirá no resultado). Ponha os belezuras no forno elétrico, temperatura dois terços da máxima. A preferência pelo forno elétrico se justifica por acharmos que ele deixa os pães mais morenos por fora e macios por dentro, como aqueles que você comia no Solar Nossa Senhora do Rosário, em Ouro Preto. Enquanto os pães assam, frite três a quatro hambúrgueres, desses de caixinha – mas de carne bovina, não os que têm carne de frango ou de outras procedências nebulosas misturadas. Pode ser qualquer sabor, normal, light, tempero suave, etc., mas preferimos o BBQ, barbecue, por ser mais trash. Depois que sua cozinha esfumaçar a ponto de não ser mais possível enxergar o fogão, tire os hambúrgueres da frigideira e pique-os em pedaços irregulares de três a quatro centímetros. Pegue os pães de queijo, abra-os não com a faca mas com as mãos (cuidado, eles estão quentes!), pra que fiquem com uma aparência descuidada, e enfie em cada um deles um pedaço do hambúrguer barbecue. Coma imediatamente, acompanhado daquela latinha aberta de Coca esquecida em sua geladeira. Fica uma delícia. Com o sucesso garantido junto aos seus, você poderá bradar: te cuida, Nigella Lawson! Ou melhor, pode deixar que a gente cuida dela.
12:17:11 - hubbell -