:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Frontera

Alguém que consiga deixar um prosaico frango grelhado com purê de milho daquele jeito mereceria um prêmio, mas há tantos méritos no fantástico restaurante que não caberiam aqui. Fica na José Eusébio rente ao muro do cemitério da Consolação –cujos inquilinos, pelo visto, se estivessem vivos de fome não morreriam. A poucos metros dali está o AK, igualmente bom, mas de relação custo benefício menos vantajosa.

Simplesmente nenhum dos pratos era menos que fabuloso. Da massa às carnes, passando pelas sobremesas memoráveis, tudo sabendo a alguém com um talento excepcional por trás do fogão. Prove o tal do talharim com um certo molho cuja descrição me foge da memória, mas o sabor, não. Ou a garoupa. Ou a polenta com mascarpone e shimeji acompanhando um ojo de bife.

Talvez tenha a ver com a distinção da proprietária, a argentina Ana, cuja presença correta na administração não a deixa com aquela falsa pose de aeromoça, tão comum entre pessoas que se pretendem simpáticas neste ramo. Ou seriam simplesmente os eflúvios portenhos: simples, chique, competente e bem cuidado. Pena que a fronteira mesmo esteja tão distante. Há mais na Argentina que deveríamos importar, mas infelizmente continuamos preferindo Miami.

Nota: 10 miojos.

posted at 19:09:00 on 13-01-2008 by Pinto - Category: ...ou então miojo


Comentários

Pedro wrote:

Glorioso. Até a azeitona é boa.
14-01-2008 10:33:13


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo