:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Todos

Todos os posts do mês. Para selecionar uma seção, clique no menu ao lado.


.:: mês anterior :: :: :: :: May 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Maio

zeno gmbh, bh, mg: um carater a prova de bala

"BLINDxxx
BLINDAGEM ARQUITETÔNICA
Especializada na fabricação, instalação e manutenção de produtos blindados para a construção civil, a Blindxxx atende os mais diversos projetos de blindagem arquitetônica em todo Brasil. Com estrutura e tecnologia de ponta, os produtos se adéquam as necessidades de cada projeto de forma personalizada. São portas, esquadrias, guaritas, bilheterias, paineis, e vidros blindados, além de concreto balístico, células de segurança, entre outras soluções com garantia de qualidade e segurança." *

eis pq. não nos atingem as mazelas do país, seus pobres, que ficam aí nos denegrindo, só querendo judiá, seus índio pepsi-sacocacolero.

* (sic dos próprio e negrito local, mas sem preconceito, pensanoquê)

29 Maio

nada a ver mas tudo em cima

vai encará?

tem tardes como a de hoje
com essa luz de outono
aqui em botucatu
limpidas
de lavar o olho
em que a gente aqui pensa
sem culpa alguma:

esses cristão era muito esperto
pegaro de jeito essa estoria de éden.

a terra
é mesmo
um lugar especial

um dos melhores do universo
pra se viver

um jardim
bomquebom de ficar
deitado de costa na grama
olhando pro céu
q'nem besta

tudo curvo
gostoso e contraditório
q'nem colo de mulher

26 Maio

didireita e di ex-querdia

eu me lembro dum canastrão contente, nos extertores do guvernmilitá, que gostava-que-gostava de ser fotografado em seus suspensórios, fumando charuto e, por vezes, cuma gravata borboleta (nada constra a brabuleta, bem boa de vez em qdo).
e que um daqueles muleque do pasquim que depois viraro véio didireita tascou que o suspensório era pq. os cara 'tinha medo que cinto apertava as veia da cintura e que daí pra ficar broxa então'...

que diferença hein, pra hoje, que os subsequentes já nasce didireita, e cum humor já de suspensório...
22:19:20 - George Smiley - Comentar

25 Maio

Intempéries

Em época de eleição eu me lembro daqueles 800 empresários que estavam a ponto de debandar para Miami.

Felizmente, para a cidade, a ameaça não se cumpriu.
09:45:00 - Pinto - 2 comentários

20 Maio

agruras de um caseiro

'se eu te cobrasse mais caro vc. me ouvia mais...'
disse ele
depois da décima vez inaudito
lavando prato
enquanto

2,5555555555555555555

Deu no UOL: "Maitê Proença diz que seu personagem na novela Passione, Estela, vai trair o marido nove vezes em 23 capítulos. 'É tudo muito objetivo: sexo. Ela olha, mostra que quer, os homens veem. Não tem frufru, charminho nem trejeito. Mas isso sem ser vulgar', explica a atriz."

Lôco, né?
10:13:25 - Zeno - 4 comentários

19 Maio

Música funcional



Depois vocês dizem lá nos comentários se funcionou.
[Leia mais!]

Zeitgeist

Não crer em sanções. Nem em Dalilas.
15:20:22 - Pinto - Comentar

17 Maio

Não é pra casar



O pessoal aqui da redação tem uma, digamos, deferência (ver canais deferentes, biol.) toda especial pela Julianne Moore. Mas achamos que o agente dessa moça precisa ter mais critério com os filmes que ela topa fazer.

Nos três mais recentes —Savage Grace, A Single Man e Chloe, este assistido ontem e recomendado, apesar da pegadinha—, madame não leva sorte no matrimônio, menos por conta do consorte do que própria. Isso sem mencionar outras películas como Magnólia (a cópia) e Short Cuts (o original), nos quais a coisa já desandava.

Fica parecendo Jeremy Irons e Harrison Ford, que durante um tempo alternaram papeis de viúvos-negros mais assíduos de Hollywood.

Quem sabe só um flerte.
09:33:32 - Pinto - 2 comentários

Por um pouco mais de fidedignidade nos jornais



Uma campanha Hipopótamo Zeno em prol das opiniões percucientes que tomam de assalto a míjia.
07:42:39 - Pinto - 2 comentários

14 Maio

Deu na Faia

Câmara de São Paulo (sic) aprova regulamentação para DJs

A Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados aprovou na última quarta-feira, dia 12, a regulamentação da profissão de DJ (abreviação para "disc-jockey").
A proposta é de autoria do senador Romeu Tuma (PTB-SP). Com ela, passa-se a exigir dos DJs diploma de curso profissionalizante, além de carteira profissional de habilitação e certificado de capacidade profissional emitido pelo sindicato da área.
========================
Em respeito aos nobres deputados, e por não atender aos requisitos exigidos, este DJ encerra suas atividades públicas.
E vai sair candidato a deputado federal, que pra isso basta ser analfabeto.

12 Maio

Requiescat in pace



Pois é, a D. Lena Horne. Papocou domingo agora, com 92 anos. Para a geração do meu pai, era um monumento. A primeira mulata a fechar o comércio da Rodeo Drive na década de 40. Fosse brasileira, seria barbada para Miss Renascença, teria complicado a carreira da Adele Fátima, a musa do nosso editor-em-chefe, ou da Marina Montini, por quem babava nosso correspondente no hinterland paulista.
Dona Lena também era uma moça de cabelinho na venta: enfrentava quaisquer manifestações racistas, que não eram poucas na época, nos EUA. Se você tem interesse na vida dela, acabou de sair uma biografia bacaninha, do James Gavin, por menos 11 dólares tu arrasta ela na Amazon.

Era melhor performer do que cantora, o que não quer dizer que não cantava bem. Se vocês duvidarem, peguem aí uma seleção que fiz de uns sete discos dela, here, there and everywhere. Só filé. [Leia mais!]

11 Maio

Cumprimentos da estação



Face às recentes notícias sobre o DNA da espécie humana, vamos estar desejando antecipadamente a todos os nossos amigos, clientes e fornecedores um Feliz Neandertal.
22:03:32 - Pinto - 3 comentários

O Dia das Mães está chegando. Esteja preparado.

Já que o Pinto anda em fase MILF animada, queria dar um pitaco e sugerir, com uns dias de atraso mas com quase um ano de antecedência, uns novos slogans para a rapaziada de marketing usar na próxima campanha do Dia das Mães. Que tal esse?

"Mãe. Mesmo o maior filho da puta tem uma."

Ou na linha dos ditados reescritos:

"Mãe de amigo é quinem muro alto: deve-se trepar com cuidado."

Ou ainda, mezzo dadá:

"Mais vale uma mãe à mão que duas com sutiã."

Pra encerrar, minha preferida, só que no Dia dos Namorados, para um hipotético rapaz que quer declarar seu amor:

"Querida, a única pessoa que me fez mais feliz que você foi minha mãe", ao que ela responde, meiga: "Cê é doente?".
20:02:35 - Zeno - 2 comentários

Ainda o avental todo sujo de ovo

Quem foi moleque vai entender. Por conta da data, esses dias tenho lembrado da veneração que tínhamos no colegial pelas mães alheias. Nenhuma conotação sexual, apenas pretexto para tiração de sarro com amigos que, ainda hoje, se tratam por "filho da fulana" ou mesmo pelo próprio nome da genitora.

Nas olímpiadas, então, o bicho pegava. Eu me lembro da escalação dos times — "Edith", "Odete", Prazeres", "Aparecida", "Erenilda". Esta última calhou de assistir a uma fatídica final na qual seu filho não ia bem, e teve que ouvir um sonoro "Putaquepariu, Erenilda, vatomarnoseucu!". Socorreu-se aflita com o pai da criança, sentado ao lado: "Isso foi comigo, marido?".

Mas a melhor mesmo ouvi esses dias, relatada por uma amiga. Dona Maria José, a popular Mazé, foi a mãe escolhida para uma singela homenagem: batizou o jornal do grêmio. O nome? "+ é um jornal".

Saudades daqueles tempos.
17:36:26 - Pinto - 4 comentários

Magnésia Leitésia, de Rolando Argel

Deu no Estadão:

Iogue hindu não come nem bebe

Um asceta hindu deixou 30 médicos estupefatos após ser monitorado 24 horas por dia durante duas semanas, nas quais não comeu nem bebeu – e, consequentemente, não urinou nem defecou. “É um mistério”, declarou o neurologista Sudhir Shah, que integra a equipe de um hospital de Ahmedabad,
localizado a oeste do país. O iogue Prahlad Jani, de 83 anos, diz não ingerir nada há 70 anos.

09 Maio

a, e, i, o, u, ipsilone

Eu me lembro de ter sido alfabetizado pela cartilha “Caminho Suave”. Eu e metade da população brasileira à época (a outra metade seguia método pedagógico diverso, conhecido pelo termo técnico Analfabetismo, que depois se organizou e evoluiu para o MSC, Movimento dos Sem Cartilha). Foi meu primeiro contato com a palavra “zabumba”. Primeiro e único. Decênios depois, alguns amigos de boa alma, cansados de me ver passar vergonha em mesa de bar (gritando, com muitos decibéis escoceses, “Nunca mais encontrei essa porra de palavra!”, o que eu entendia ser uma tremenda crítica abalizada ao sistema educacional brasileiro), tentavam acalmar meu ímpeto pedagógico com tiradas de bom senso: “é claro que tu conhece”, “pára de bestagem e frase de efeito”, “canta pra gente, pela enésima vez, ‘mas o doutooooor nem examina’”, etc. Na semana passada, com meia garrafa na cabeça e a outra metade num futuro próximo, safei-me dos conselhos camaradas com essaqui: “Pra mim é tudo bumbo”. Tenho pena dos meus amigos.
21:47:12 - Zeno - 5 comentários

Onde andará Dulce Veiga?

Não faço a menor ideia. Mas tenho notado uma irritante ausência de Gabriel Chalita das colunas sociais —e olhe que ele lançou livro novo com o Padre Fábio de Melo, talvez único caso mundial de aplicação de botox na face para fins prioritariamente não-estéticos, segundo o próprio.

Outra que anda assim meio sumida —e põe meio nisso— é Adriane Galisteu. Mas está grávida, então logo teremos que aturá-la mãe.

Fica aqui o desagravo à minha nesta data.
00:01:00 - Pinto - 8 comentários

07 Maio

O dia em que ela morreu

The Day Lady Died
Frank O'Hara

It is 12:20 in New York a Friday
three days after Bastille day, yes
it is 1959 and I go get a shoeshine
because I will get off the 4:19 in Easthampton
at 7:15 and then go straight to dinner
and I don’t know the people who will feed me
I walk up the muggy street beginning to sun
and have a hamburger and a malted and buy
an ugly new world writing to see what the poets
in Ghana are doing these days
I go on to the bank
and Miss Stillwagon (first name Linda I once heard)
doesn’t even look up my balance for once in her life
and in the golden griffin I get a little Verlaine
for Patsy with drawings by Bonnard although I do
think of Hesiod, trans. Richmond Lattimore or
Brendan Behan’s new play or Le Balcon or Les Nègres
of Genet, but I don’t, I stick with Verlaine
after practically going to sleep with quandariness
and for Mike I just stroll into the park lane
Liquor Store and ask for a bottle of Strega and
then I go back where I came from to 6th Avenue
and the tobacconist in the Ziegfeld Theatre and
casually ask for a carton of Gauloises and a carton
of Picayunes, and a new york post with her face on it
and I am sweating a lot by now and thinking of
leaning on the john door in the 5 spot
while she whispered a song along the keyboard
to Mal Waldron and everyone and I stopped breathing

================================
E se quiserem ouvir o John Updike lendo o poema, é só vir até aqui.

05 Maio

Conto eu ou conta vc?

Ele escreve em um blogue., Mais de mil visitas/ dia. tem perfil no facebook (só pro fazendinha), conta no twitter (só praler, só pra ler), orkut, gmail, gtalk, msn, etc. J´å se cadastrou num sm numero de sites. A maioria sem pornografia. Passa o dia navegando enquanto finge que trabalha. Mas não, isso não!, não permite de jeito nenhum que seu rosto apareça numa foto postada na rede pois zela por sua privacidade, odeia se expor.

Bem, conto eu ou conta vc?
15:25:02 - Lama - 10 comentários

"Querida, você lembra tanto minha mãe"

Recebo pela newsletter da Livraria da Vila a seguinte pergunta: "Que tipo de mãe é a sua?".

Troço mais woodyallenesco, né não?
11:13:13 - Zeno - 3 comentários

Errou, cachorra!



Foi lá pelo finalzinho da década de 70. Irmão meu saiu daqui pros estêites desenganado por um caranguejo. Viajou só pra confirmar que não tinha jeito, na visão caolha dos jalecos brancos que cuidavam do assunto. Puta galo brigador, espalhou penas por tudo que foi Boston durante um ano. Tá vivo, forte e sacudido até hoje, mais saudável do que os que ficamos. A filhadaputa da indesejada das gentes passou raspando e até hoje não achou o caminho de volta. Sorte nossa, que continuamos nos aproveitando da sua presença, do seu amor pelos amigos.

Mas a conversa é música, certo? Enquanto meu compadre tava por lá descobriu um LP duplo do Chuck Mangione, "Children of Sanchez", trilha sonora de um documentário e do perrengue que ele passou por lá, se vocês quiserem saber mais perguntem pro PMDB ou, melhor, pro editor-em-chefe, que está com o saco em brasas de tanto coçar. Veio o exemplar dele mais um de presente pra mim. Durante anos, cada vez que a gente se encontrava, na casa dele ou na minha, sempre rolava o disco, uma maneira, sei lá, de a gente se garantir que estava vivo e que isso iria se prolongar enquanto a gente se aguentasse.

Vejam aí como rola procês. [Leia mais!]

04 Maio

Nosso jeitinho

22:54:25 - Pinto - Comentar

O finlandês que veio do frio



O negócio que vocês vão ouvir aqui foi resultado de uma conversa de horas com o meu filho, minha principal fonte de informações musicais noves fora os dukeellingtons da vida.
O cara é tido por alguns (gostaram da precisão jornalística?) como o Jimi Hendrix da sanfona, se é que isso quer dizer alguma coisa. Poderia ser, também, o Hermeto do Círculo Polar Ártico.
Enfim, eu nunca tinha ouvido nada parecido com o Kimmo Pohjonen.
Se virem aí com Kluster, de 2002.
[Leia mais!]
21:37:00 - DJ Mandacaru - Comentar

.:: mês anterior :: :: :: :: May 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.